fevereiro 2015 - Posts

Prepare-se com antecedência para preencher a Declaração do Imposto de Renda de 2015

 
A entrega da declaração do Imposto de Renda (ano base 2014) só inicia em março, mas o contribuinte já pode começar a se preparar e evitar dor de cabeça no momento de preencher o documento. Em 2015, o prazo para entrega da declaração será do dia 6 de março até 30 de abril.

De qualquer forma, os contribuintes podem se preparar para pagar mais Imposto de Renda este ano e há dois motivos para isso. O Congresso aprovou a correção de 6,5%, o que não seria o suficiente ainda, mas amenizaria a situação dos contribuintes, porém a Presidente Dilma vetou o reajuste alegando que traria perda aos cofres do fisco e depois concedeu 4,5%.

Apenas para ilustrar, a defasagem pela correção da tabela abaixo da inflação, durante os últimos 19 anos já atingiu 64,3%, ou seja, podemos afirmar que houve um aumento considerável da tributação em função desta defasagem.

O segundo motivo é a manutenção de valores baixos como limites para as despesas dedutíveis da base de cálculo do IR, principalmente aquelas referentes a educação e dependentes, que atualmente estão em R$ 3.375,83 e R$ 2.156,52, respectivamente. O que naturalmente é incompatível com a vida no mundo real. Qual efeito isso causa? O contribuinte paga ainda mais imposto.

Uma novidade para 2015 é que este ano será possível fazer a declaração online, via e-Cac, desde que o contribuinte possua certificado digital.

Contudo, ficam excluídos dos contribuintes que podem usar este sistema aqueles que tiverem auferido os seguintes tipos de rendimentos:

1.1tributáveis:
a) recebidos do exterior;
b) com exigibilidade suspensa;
c) sujeitos ao ajuste anual, cuja soma foi superior a R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais);

1.2 sujeitos à tributação exclusiva /definitiva:
a) ganhos de capital na alienação de bens e /ou direitos;
b) ganhos de capital na alienação de bens, direitos e aplicações financeiras adquiridas em moeda estrangeira;
c) ganhos de capital na alienação de moeda estrangeira em espécie;
d) ganhos líquidos em renda variável (bolsa de valores, mercadorias, de futuros e assemelhados e fundos de investimento imobiliário);
e) rendimentos recebidos acumuladamente;
f) rendimentos cuja soma foi superior a R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais);

1.3. rendimentos isentos e não tributáveis:
a) lucro na alienação de bens e/ou direitos de pequeno valor ou do único imóvel, lucro na venda de imóvel residencial para aquisição de outro imóvel residencial, e redução do ganho de capital.

Os limites para esse ano, comparados com os do ano passado, são os seguintes:

Obrigatoriedade 2015

Ano anterior

2015

Rendimentos Tributáveis

R$ 25.661,70

R$ 26.816,55

Rendimentos Isentos

R$ 40.000,00

R$ 40.000,00

Atividade Rural

R$ 128.308,50

R$ 134.082,75

Bens em 31 de dezembro

R$ 300.000,00

R$ 300.000,00

Desconto Simplificado

  

  

20% - limitado a

R$ 15.197,02

R$15.880,89

Deduções

  

  

Dependentes

R$ 2.063,64

R$ 2.156,52

Instrução

R$ 3.230,46

R$ 3.375,83

Contribuição Oficial

  

  

Contribuição à Previdência Complementar

12% rend. trib.

12% rend. trib.

Despesas Médicas

  

  

Dedução Empregada doméstica:

R$ 1.078,08

R$ 1.152,88

Doações- ECA - Incentivo a Cultura – a Atividade Audiovisual - ao Desporto e ao Estatuto do Idoso.

6%

6%

 

Os profissionais que prestam serviços para pessoas físicas, a partir deste ano deverão informar os seus rendimentos por CPF, o que permitirá evitar a retenção em malha de milhares de declarantes que preenchem a declaração de forma correta e pelo fato de terem efetuado pagamentos de valores significativos a pessoas físicas podem precisar apresentar documentos comprobatórios à Receita Federal. Claro que estas informações serão inseridos no programa Carnê Leão de 2015 e só serão importadas para o imposto de renda de 2016.

Outra novidade em 2015 é o aplicativo para que o contribuinte possa informar dados de pagamentos e recebimentos durante todo o ano. Durante o período de entrega essas informações poderão ser importadas na DIRPF.

A tabela progressiva para o cálculo do imposto será a seguinte:

Base de cálculo em R$

Alíquota (%)

Parcela a deduzir do imposto em R$

Até 21.453,24

-

-

De 21.453,25 até 32.151,48

7,5

1.608,99

De 32.151,49 até 42.869,16

15,0

4.020,35

De 42.869,17 até 53.565,72

22,5

7.235,54

Acima de 53.565,72

27,5

9.913,83

 

Aqui seguem algumas para reduzir a chance de cair na malha fina:

  1. Organize todos seus comprovantes, principalmente os referentes a gastos com educação e saúde, que podem precisar de comprovação;
  2. Declare todos os rendimentos recebidos - sejam eles salários, proventos, aposentadoria, pró-labores, aluguéis e outros;
  3. Declare o rendimento do cônjuge quando a declaração for em conjunto;
  4. Declare o resultado da subtração entre os rendimentos tributáveis e os rendimentos isentos e não tributáveis. Ambos são informados no comprovante de rendimentos fornecidos pela fonte pagadora (empresa);
  5. Digite a vírgula como separador de centavos, jamais o ponto - O programa gerador da declaração não considera o ponto como separador de centavos, fazendo com que o valor fique errado;
  6. Declare prêmios de loterias e de planos de capitalização na ficha "Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva";
  7. Declare planos de previdência complementar na modalidade PGBL como dedutíveis, até o limite 12% do rendimento tributável declarado. A legislação não permite dedução de planos de previdência complementar na modalidade VGBL;
  8. Não declare doações a entidades assistenciais - A legislação só permite doações efetuadas diretamente aos fundos controlados pelos Conselhos Municipais, Estaduais e Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente e limitadas em até 6% do imposto devido;
  9. Não declare o 13º salário como rendimento tributável. Ele é um "Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva";
  10. Declare os ganhos ou perdas de renda variável, quando operar em bolsa de valores;
  11. Não declare despesas com planos de saúde de dependentes não relacionados na declaração do IR. O contribuinte, titular de plano de saúde, não pode deduzir os valores referentes ao cônjuge e aos filhos quando eles declarem em separado. Só são dedutíveis na declaração os valores pagos a planos de saúde de pessoas físicas consideradas dependentes pela legislação, incluídas na declaração do responsável;
  12. Declare os ganhos ou perdas de capital quando são vendidos bens e direitos.

Espero que isto ajude você! Se gostou, indique!

Posted by Paleo with no comments
Filed under:

Dicas para 2015

Em 2015 temos um cenário ainda mais complicado para quem possui endividamento, do que em 2014, quando voltamos a registrar crescimento da inadimplência. Provavelmente a principal causa disso seja que para cobrir os rombos das contas públicas o governo está tomando medidas para aumentar a arrecadação, mas que acabam por transferir esta conta para os cidadãos.

O crédito está mais caro, o que possui um efeito extremamente danoso para as pessoas que possuem endividamento, pois se não conseguirem saldar suas dívidas e precisarem contrair novas, uma parcela maior de seu dinheiro irá para pagar os juros. Da mesma forma isso faz com que muitas empresas reduzam seus investimentos, desta forma adiando expansões e portanto contratações.

Ao mesmo tempo tivemos um aumento de impostos, então se de um lado as empresas ficam com menos capital para investir, do outro, uma parte maior de suas vendas vai para o pagamento de impostos, reduzindo seu resultado. A opção normal seria aumentar os preços, mas com o dinheiro mais caro para os consumidores isso geraria retração das vendas, então as empresas acabam "enxugando", o que muitas vezes é sinônimo de demissões. Com as demissões as vendas tendem a cair ainda mais e aí entramos em um círculo vicioso, que conduz a uma retração da economia, como já foi inclusive admitido pela equipe do governo. Repare que mesmo com a redução do IPI a venda de automóveis já caiu 31% em Janeiro.

Se esta retração mantém-se por três meses, vira recessão, o que segundo o governo não ocorrerá. De qualquer forma a tendência é enfrentarmos uma falta de capital e uma retração nas vendas ao mesmo tempo, ainda que por um curto período.

Então as medidas foram erradas? Não, foram corretas, mas alguns remédios são indigestos mesmos. Não adianta reclamar do remédio, a revolta deve ser com o que nos fez ter de usá-lo.

Isso significa que 2015 será um ano ruim? Não, necessariamente. Lembre-se: Sempre quando uns choram, outros podem vender lenços! O que fazer então?

1)      Expandir: Como assim? As empresas que estiverem com suas contas em dia, terão uma oportunidade ímpar para adquirir concorrentes e desta forma aumentar suas participações no mercado. Da mesma forma, as pessoas físicas que estiverem em dia, poderão barganhar melhor e obter ótimos descontos em suas compras;

2)      Enxugar: Reduza despesas para fazer seus gastos caberem no orçamento. Na pessoa física isso pode significar um corte no lazer, redução de despesas como água e luz (que ainda possuem risco de racionamento, se nada mudar) e telefone. Se não desejar cortar, ao menos mude a periodicidade ou o padrão;

3)      Renegociar: A falta de dinheiro tende a atingir todos, uns em maior escala e outros em menor, desta forma pode ser uma boa oportunidade para renegociar dívidas, obtendo bons descontos;

4)      Sem rolagem: Não adianta nada rolar as despesas de um mês para o seguinte, pois apenas estará adiando o problema. Simplesmente, passar a comprar a prazo, o que vinha comprando a vista vai apenas adiar o problema. Não adianta pagar o supermercado no cartão de crédito, pois a fatura virá no mês seguinte e depois que se entrar nessa sistemática é muito difícil de sair, para precisaria pagar dois meses juntos, para sair dela;

5)      Fugir: Fuja dos empréstimos o mais que puder, pois com juros altos eles são uma opção muito ruim, apesar de fáceis. Nada de rolar cartão crédito, nem cheque especial, pois isso pode virar bola de neve;

6)      Ampliar: Este sem dúvida é um ótimo momento para ampliar a renda (difícil será encontrar vagas para isso), mas qualquer rendimento extra é sempre bem-vindo na volta das férias, portanto não custa procurar.

Posted by Paleo with no comments
Filed under: