abril 2007 - Posts - Tecnologias

Tecnologias

Assuntos diversos ligados à tecnologia.

Syndication

Receive Email Updates



abril 2007 - Posts

O QUE É QUE CUSTA QUASE R$ 6.000,00/ litro?
Resposta: TINTA DE IMPRESSORA !!!

JÁ TINHAM FEITO O CÁLCULO?
 
 
Há não muito tempo atrás, as impressoras eram caras e barulhentas.A primeira impressora doméstica barata, a Elgin Lady 80, era bonita,minúscula e lenta, mas mesmo assim acessível. Com o advento das impressoras a jatos de tinta, o mercado matricial doméstico morreumais rápido que os dinossauros, pois todos foram seduzidos pelaqualidade, velocidade e facilidade de uso da Cânon BJ600, da HPDeskjet 420C, entre outras.
Aí veio a grande sacada dos fabricantes: oferecer impressoras cada vez mais e mais baratas, e cartuchos cada vez mais e mais caros. Nos casos dos modelos mais baratos, o conjunto de cartuchos pode custar mais do que a própria impressora... Olha só o cúmulo: pode acontecer de compensar mais trocar a impressora do que fazer a reposição de cartuchos. VEJA ESSE EXEMPLO: Uma HP DJ3845 é vendida nas principais lojas por R$170,00. A reposição dos dois cartuchos (10ml o preto e 08ml o colorido), fica em
torno de R$130,00.

 Daí você vende a sua impressora semi-nova sem os cartuchos por uns R$90,00 (pra vender rápido), junta mais R$80,00 e compra uma nova impressora e com cartuchos originais de fábrica e ainda economizará R$50,00! Os fabricantes fingem que nem é com eles, dizem que é caro por ser tecnologia de ponta, transformam o simples ato de fabricar tinta em algo mais complexo do que coletar a 3a. lágrima da Deusa-Loba dos Campos
Elíseos, ou algo assim.. Enquanto a indústria de recarga viceja, vemos HP, Epson, Canon e Lexmark jurando que a tinta deles é melhor e que você não deve recarregar Para piorar, de uns tempos para cá passaram a diminuir a quantidade de tinta (mantendo o preço)... Um Cartucho HP, com míseros 10ml de tinta custa R$55,99. Isso dá R$5,59 por mililitro. Só para comparação, Champagne Veuve Clicquot City Travelle custa R$1,29 por mililitro. QUASE SEIS MIL REAIS POR UM LITRO DE TINTA ! Parece brincadeira, NÉ???? MAS É A TRÁGICA REALIDADE, O PREÇO EXTORSIVO QUE PAGAMOS. UM SPANTO !!! Só acrescentando... As impressoras HP1410, 3920 que usam os cartuchos HP 21 e 22, estão vindo somente com 5 ml de tinta!!! Mas não é só HP. Com a Lexmark
é a mesma coisa. Isso deve ser combinado. É UM ABUSO!

Vamos protestar, quem sabe chega nos fabricantes e eles baixam o preço, OU AINDA, QUEM SABE, NO INMETRO, IDEC, CADE, ...

Posted segunda-feira, 30 de abril de 2007 17:55 by Paleo

Por que ler a documentação?

Muita gente se pergunta isto, mas sabem o que ocorre com que não lê? Vejam este post:

 

-- INÍCIO POST

Newsgroups: microsoft.public.windows.server.sbs

I have an SBS 2003 machine which is actually standalone server in a
workgroup (cheapest way of acquiring a windows server license). Up until
yesterday, it had been running as a domain controller, as required by SBS,
but with no other machines in the domain and exchange not installed. I then
needed to install SQL Express 2005 SP2, which won't install on a DC, so I
had to disable the SBcore service (as per this thread):



http://forums.speedguide.net/showthread.php?t=173731



After following the instructions there and getting SBcore successfully
disabled I proceed to demote the DC. The demotion process concluded
successfully, as per the dcpromo dialog, but then I got several errors (some
before and others after restarting the machine)



·         Windows cannot obtain the domain controller name for your computer
network. (The specified domain either does not exist or could not be
contacted. ). Group Policy processing aborted.

·         File Replication Service is scanning the data in the system
volume. Computer EC-RMS cannot become a domain controller until this process
is complete. The system volume will then be shared as SYSVOL.

·         Windows cannot determine the user or computer name. (The specified
domain either does not exist or could not be contacted. ). Group Policy
processing aborted.

·         MS DTC could not correctly process a DC Promotion/Demotion event.
MS DTC will continue to function and will use the existing security
settings. Error Specifics: d:\nt\com\complus\dtc\dtc\adme\uiname.cpp:9351,
Pid: 1352 No Callstack, CmdLine: C:\WINDOWS\system32\msdtc.exe


The problems I have now are:



·         The original administrator account got deleted and a new one got
created, with the same password. After the restart, IIS recreated IUSR and
IWAN, but there are no other local accounts besides those two, admin and
guest. Is there a way to recreate the STANDARD accounts?

·         I can't edit account information on scheduled tasks (General page
initialization failed.The specific error is:0x8007000d: The data is
invalid.An error has occurred attempting to retrieve task account
information.  You may continue editing the task object, but will be unable
to change task account information)


Other than the account/SID mess everything else seems to be working OK. Any
suggestions on the easiest way to remedy this situation? At least it it
possible to i reset the accounts/SID?


Many many thanks,


-- FIM POST

O que ele fez? Simples, não leu a documentação e estragou o servidor. Tem solução? Claro!

Qual? Format C:\ /u

Depois é só reinstalar o SBS!

Portanto, muito cuidado com estas idéias brilhantes!

Posted quinta-feira, 26 de abril de 2007 14:17 by Paleo

Alerta aos empresários II

Mais um ponto para se cuidar...

23/04/2007 -  Culpa da empresa por morte de trabalhador em acidente leva ao pagamento de pensão a herdeiro até a idade-limite de 25 anos (Notícias TRT - 3ª Região)
         
Pelo entendimento expresso em decisão da 8ª Turma do TRT de Minas, "em se tratando de acidente do trabalho do qual foi vítima fatal o empregado, estando presentes os supostos ensejadores da pensão pleiteada, afigura-se razoável limitar-se o pagamento da pensão, que tem início na data do infortúnio, até que o herdeiro complete 25 anos de idade, o que se justifica diante da presunção de que, em tal idade, terá ele completado a sua formação escolar, inclusive universitária" .

A decisão teve como base o voto da Desembargadora Denise Alves Horta, que deu provimento a recurso dos reclamantes (viúva e filho menor do trabalhador acidentado) para aumentar o valor da indenização por danos morais para R$ 100.000,00. Para a fixação da reparação dos danos materiais foi contabilizado o valor relativo a 35% do salário do empregado falecido, sendo a parcela destinada ao filho menor (que tinha seis meses de vida na época do acidente), multiplicada por 24,5 anos (ou seja, o tempo que faltava para que completasse 25 anos), o que deu um total de R$ 237.081,60, a ser pago em parcela única.

O acidente ocorreu durante o trabalho de montagem de uma ponte de estrutura metálica na empresa, sendo utilizado um guindaste de lança. O local da operação era ao lado de uma rede de alta tensão e, como chovia muito, uma faísca da rede caiu na lança do guindaste e a máquina se eletrificou, matando, em conseqüência, o empregado e seu colega que estavam próximos a ela. Ficou constatada no processo a culpa da empresa pelo evento causador do dano, no mínimo, por negligência, ao permitir que seus empregados trabalhassem em circunstâncias tais, sem isolamento da área de risco, em guindaste sem isolamento elétrico e sem os equipamentos adequados.

No caso, os danos moral e material dos reclamantes são evidentes, considerando a morte do pai e provedor da família, que deixou uma viúva também jovem, com pouco mais de 21 anos.

Os valores deferidos foram majorados pela Turma com base em critérios adotados pela jurisprudência, considerando, além dos aspectos reparatório e punitivo, que esse valor, nos dizeres da relatora, "não pode ser causa de ruína para quem paga nem causa de enriquecimento para quem recebe".

 

Posted terça-feira, 24 de abril de 2007 13:57 by Paleo

Alerta aos empresários

Atenção ao pessoal que tem empresas e recebe conselhos duvidosos de seus assessores...

23/04/2007 - Empregador é condenado a complementar aposentadoria calculada sobre salário pago a menor (Notícias TRT - 3ª Região)
       
"Se o plano de previdência, patrocinado pela empresa e derivado da relação de trabalho, prevê que os proventos da aposentadoria complementar condicionam-se à remuneração auferida pelo empregado na vigência do contrato e se fica comprovado que o empregador não quitou corretamente as parcelas salariais que a integram, há que se imputar a ele a responsabilidade pelos prejuízos advindos". A decisão é da 5ª Turma do TRT/MG que manteve condenação de empresa ao recolhimento de contribuições mensais para o recálculo da aposentadoria do reclamante, em razão da incidência, no valor do benefício, das diferenças de horas extras e de adicional de periculosidade não pagos durante o contrato de trabalho.

Com base no voto do Juiz convocado Danilo Siqueira de Castro Faria, a Turma rejeitou o argumento da empregadora, de que a responsabilidade de garantir a reserva matemática para os associados seria exclusiva da entidade previdenciária em questão, já que todos os repasses teriam sido efetuados pela empresa nas épocas próprias.

A Turma acompanhou o entendimento do juiz sentenciante, que, considerando válida a migração do reclamante do Plano de Origem para o Plano B, condenou a empregadora a complementar a aposentadoria do autor, já que a base de cálculo do seu benefício não contemplou as parcelas deferidas no processo, como previsto no Regulamento da entidade previdenciária. "Compõem a remuneração do obreiro o adicional de periculosidade e as horas extras devidas e não quitadas pela reclamada, sendo parcelas de natureza salarial, habitualmente pagas ao reclamante" - explica o relator. Assim, a empregadora deverá proceder à recomposição atuarial, bem como a reserva matemática, junto à entidade previdenciária, a fim de corrigir o benefício de complementação de aposentadoria do reclamante.

Lembra o juiz que o próprio regulamento da entidade previdenciária estabelece a responsabilidade solidária de outra empresa pelas obrigações decorrentes dos planos previdenciários da entidade e frisa: "Não há duvidas que o elemento essencial para o cálculo correto da complementação da aposentadoria, qual seja, a média das últimas remunerações, estava aquém do que era devido, por única e exclusiva culpa da reclamada, pelo que deve esta ser responsabilizada, devendo arcar com o pagamento das diferenças da complementação da aposentadoria até o momento que o benefício previdenciário não se encontrar mais defasado".

Posted terça-feira, 24 de abril de 2007 13:55 by Paleo

Responsabilidade pelo que se escreve

Será que existe alguma? Sempre pensei que sim, mas leiam isto:

http://applemania.info/?p=256

Se o Vista tivesse a metade dos problemas que este cara aponta, certamente eu não estaria digitando isto de uma máquina rodando ele. Além disso, chamar ele de Me II demonstra total desconhecimento de ambos sistemas, pois as diferenças são imensas.

Posted terça-feira, 24 de abril de 2007 13:52 by Paleo